BLOGGERAL

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A LIRA DA HIPOTERMIA

A atmosfera fria
Prepondera
No corrente dia,

No entanto,
Os pensamentos
Não aderem
Ao império do mármore:

A bem da verdade,
São vulcânicos desertos
Do Saara e do Mojave!

A atmosfera fria
Prepondera
No corrente dia:



Penso nos entes
De antártico
Coração transformando
Mares majestosos
De candura e crisálida
Em infinitas úlceras multiplicadas
Cuja missão é criar bactérias
Quais sepulcralizam a alma.

A atmosfera fria
Prepondera
No corrente dia:

Não obstante
A brisa malina,
Os condôminos de rua
Deitam ---
Prematuramente ---
Na sepultura
Ao se tornarem
Almoço ou janta
Da nossa venerável
Sociedade fraternal,
Nobre, magnânima, humana!



A atmosfera fria
Prepondera
No corrente dia:

A tristeza gélida
Empedra a lareira
Dos solares sentimentos,
Matando os sonhos
E seus rebentos.

A atmosfera fria
Prepondera
No corrente dia:

Nada perto ou equidistante...
Nada ao longe...
Nada aquém...
Nada além
De hipotérmicos,
Decrépitos
E esqueléticos
Horizontes!
JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA

1 comentário:

evandro mezadri disse...

Você escreve muito bem Jessé, gostei de seu vocabulário e das imagens criadas em suas frases, são viajantes manifestações de criatividade.
Grande abraço e sucesso!